Vejo passar a minha vida,
Como n’um grande cosmorama.

António Nobre

Destaques
  • Agustina Bessa-Luís

    Afastada da vida pública desde 2006, por razões de saúde, Agustina Bessa-Luís morreu nesta segunda-feira 3 de junho de 2019, com 96 anos. Dizia ser mais conhecida do que lida, apesar das sucessivas reedições dos seus livros. Conheci-a pessoalmente em 2006, na sua casa, no Porto. Preparava, então, a edição da antologia da poetisa alemã […]

  • Joanna Concejo

    No outono de 2019, a Cosmorama apresentará os primeiros cinco livros da biblioteca Equinócios: 01 | A eterna qualquercoisa | Martín López-Vega 02 | Abandono | Jorge Teixeira 03 | Razão poética | Carlos Alberto Braga 04 | Véspera | José Pedro Angélico 05 | Carta a mim mesmo | Fernando de Castro Branco Na […]

  • Hugo Mujica

    Em 2015, a Cosmorama publicou ‘Margens’, antologia da poesia de Hugo Mujica, que nasceu em Buenos Aires, em 1942. Estudou Belas-Artes, Filosofia, Antropologia Filosófica e Teologia. Esta multiplicidade de saberes perpassa uma obra que abarca a filosofia, a antropologia, a narrativa, a mística, a poesia e a indagação estética. A sua ‘Poesía Completa’, que reúne […]

  • De reinvenção em reinvenção

    Inspirada nos versos de António Nobre: “Vejo passar a minha vida,/ Como num grande cosmorama”, a Cosmorama nasceu em 2004. Em 15 anos, este projeto vocacionado para edição de poesia, imprimiu quase cem livros. Nomes como os de Agustina Bessa-Luís, António Ramos Rosa, Ana Hatherly e Rui Nunes, coabitaram com os de jovens autores, que […]