Vejo passar a minha vida,
Como n’um grande cosmorama.

António Nobre